Conjunto Aliança volta a tocar em Samora

Publicado em 04-10-2006

Samora produziu ao longo das décadas valores incomparáveis nas mais diversas vertentes da vida quotidiana desta Vila. A música determinou uma vertente cultural impar e privilegiou uma camada de jovens que pontuaram após os tempos da grande guerra e se evidenciaram na década de cinquenta e seguintes até praticamente aos nossos dias. A vivência recreativa e cultural desses tempos assentava entre muitos outros acontecimentos na realização de bailes, como via para um convívio entre as pessoas, abrilhantados por agrupamentos musicais.

Em Samora Correia o Conjunto Musical Aliança foi um exímio intérprete da música de dança tendo sido frequentemente contratado pelas mais importantes organizações do país. Com o seu conjunto instrumental tinha a particularidade de poder executar todos os géneros de música a que a capacidade de orquestração e harmonização do António Pederneira davam um sabor próprio: a latino-americana, através do chá-chá-chá, da rumba, do mambo, do pasodoble, do tango; com o rock-and-roll, twist e outros géneros acompanhavam permanentemente a evolução da música de outras paragens, que executavam primorosamente, tendo em conta os recursos de amplificação de que dispunha. E também o jazz de New Orleans fazia parte das suas interpretações.

A música portuguesa tinha um sabor peculiar pela forma interpretativa deste agrupamento que a voz do “Zé Duarte” sabia moldar acrescentando-lhe sempre algum romantismo. Para além de bailes o Conjunto Aliança era também solicitado para acompanhar cançonetistas em diversos pontos do País e serviu muitas vezes de suporte musical ao teatro que se fazia em Samora, por Samorenses, para recolha de fundos para os mais diversos fins sociais. A espaços deram o seu contributo para a vivência musical do Conjunto Aliança: Carlos Paulino, Eduardo Ferreira, José Bona, João Serrano, Luciano Moreira e Ulisses Serrano.

A formação consolidou-se com o António Pederneira no trompete, no vibrafone e no contrabaixo de cordas, a Felismina Pederneira nas teclas, o Henrique Cardoso no saxo-tenor e no clarinete, o Fernando Leite no saxo-alto, o José Duarte Martins, o vocalista, manejava como ninguém os instrumentos de ritmo e expressava na sua voz os diversos temas da época, com o suporte rítmico e a marcação da bateria do José António Oliveira, constituíram-se durante catorze anos verdadeiros promotores da Vila de Samora Correia.

Este documento não pretende ser mais do que um reflexo de um trabalho de gente de Samora de que nos devemos orgulhar. Ao Fernando Leite queremos que Deus o guarde. Que prazer teria em estar neste espectáculo. Para o substituir actuou José Vicente Perinhas, no saxo-alto que juntamente com Júlio Pereira, no trompete, mereceram a honra de músicos convidados.

No dia 4 de Outubro de 2006 após passados quase quarenta anos da data da sua primeira actuação registámos aqui um documento vivo, gravado num espectáculo organizado pela Junta de Freguesia, como uma ténue referência do que foi o Conjunto Musical Aliança de Samora Correia.